Blog

Alugar um carro, ao invés de comprá-lo?

Post in Blog

Vale a pena ler, para o dia-a-dia, alugar um carro, ao invés de comprá-lo?

 

O tema abordado também é inédito para o mercado: afinal de contas, vale a pena, para o dia-a-dia, alugar um carro, ao invés de comprar um e mantê-lo? O dinheiro economizado com essa estratégia permite, inclusive, fazer o planejamento de outros sonhos que você tenha em mente, como você poderá observar ao ler o texto abaixo. Boa leitura!

Gostaria de compartilhar com você uma experiência que tem se mostrado eficiente  que é o de alugar um veículo, ao invés de comprá-lo (e consequentemente mantê-lo). 

Há exatamente um ano, tive o dissabor de ter meu veículo furtado. Não tinha seguro! Apenas contava com um bloqueador via satélite, no qual eu confiava, mas que, na hora em que precisei do serviço, não funcionou na área em que meu carro estava! Bela perda!!!

Enfim, perdi o bem, e só me restaram as parcelas para pagar.

Passado um tempo, decidi não ficar parado, e resolver o meu caso. Usava freqüentemente o carro para idas e vindas ao trabalho. No início, me fez falta, mas tentei de alguma forma tirar proveito da situação, e transformar este dissabor em algo útil e proveitoso.

Às vezes, preciso ir até algum lugar mais distante para trabalhar. Além disso, gosto de viajar. Foram basicamente estes dois fatores – ou a falta deles –, que me deixaram um pouco para baixo.

Resolvi então analisar as condições de aluguel de veículos, condições essas que eu já tinha experimentado em uma viagem.

Tive experiências bastante positivas ao constatar que, com certa antecedência, conseguia preços bastante convidativos, além de, depois de usar, não ter mais nenhum gasto com o carro, como documentação, impostos, seguros, combustível, estacionamento, limpeza, manutenção, revisão, vistoria etc. Na verdade, foi esta diferença que me fez enxergar a viabilidade do aluguel!

Depois de ocorrido o furto, estranhamente comecei a sentir uma certa folga em minha conta-correnteComeçou a sobrar dinheiro!…rs… Curioso… Bom… Ótimo!

Comecei a estranhar, mas só então que me dei conta de quão expressiva era a quantia que gastava com o carro, uma vez que pagava ainda suas parcelas! Senti mesmo uma folga no meu orçamento doméstico!

Enfim, para fazer uma avaliação da minha experiência, experimentei utilizar uma  locadora. Como existem varias é necessário uma pesquisa. A locadora escolhida  atende bem, tem carros novos e uma Central 24 horas, para a qual você pode ligar e obter informações, ou mesmo fazer reservas, além da possibilidade de reservar pela Internet.

Essa locadora oferece a possibilidade de alugar GPS e cadeira para bebê. Mas é importante observar as políticas de cancelamento ou atrasos na devolução do veículo.

A escolha da locadora é necessária pois temos de verificar vantagens, uma vez que há diferentes preços para o aluguel, dependendo da antecedência com que se procura. Desta forma, quanto maior a antecedência, melhor a tarifa.

Dependendo também do dia da semana em que se faz a cotação, os preços se modificam. Então, além de diferentes tarifas, procurando com antecedência, você encontra mais vantagens. A título de exemplo, já consegui tarifas no valor de R$ 88,00 a diária, com Km livre. Soma-se a isso a taxa de serviço, que gira em torno de 10%, mais os seguros que você optar.

É importante lembrar que a maioria dos cartões oferece seguros para aluguel de veículos, não somente em âmbito internacional, mas também nacional. Pelo que sei  os cartões Gold e Platinum oferecem este serviço.

É vantajoso utilizar esse serviço de seguro oferecido pelo cartão, uma vez que o seguro do carro custa em média R$ 25,00/dia.

Se o cartão lhe paga esse seguro, basta a você pagar somente o aluguel, e usar o cartão para o bloqueio do valor de caução, que gira em torno de R$ 1.200,00, para estar coberto (vale a pena verificar e confirmar junto à administradora do cartão a confirmação do serviço). O cartão só não paga o seguro a terceiros, que é o mais barato. Você opta somente por ele então, se assim desejar.

 

 

 

Conclusão

Contas a se considerar com um carro básico:

– Pagava IPVA: R$ 1.300,00 ao ano.

– Manutenção: varia de acordo com a quilometragem, ou se é feita nas concessionárias com peças genuínas, ou nas oficinas somente com material original.

– Gastos com combustível: gastava em torno de R$ 250,00 a R$ 300,00/mês.

– Seguro: média de R$ 200,00/mês (não tinha).

Estes são cálculos básicos para uso do veículo. Existem muitos outros custos que estão incluídos quando se tem um carro. No meu caso, esses valores se aplicavam de forma mínima, associado ao pagamento de minha parcela de financiamento no valor de R$ 500,00.

Somando tudo isso, dividido pelos meses do ano, você sabe quanto tem de gastos por mês. Este cálculo, somado com a respectiva depreciação, faz com que em alguns casos se torne viável o aluguel. É bom usar um carro novo e devolvê-lo sem preocupações posteriores. E isso sem contar o fato de que, se você gosta de outras marcas de carro, ou se tem curiosidade para dirigir um outro modelo, você pode alugá-lo para conhecer, ou mesmo para fazer uma extravagância (controlada),  ou para fazer uma viagem/passeio com um veículo mais luxuoso. Com a quantia que tenho economizado, posso também me dar ao luxo de experimentar um carro melhor. O Cruze que me aguarde!…

Obviamente isso não se aplica a todos, mas em muitos casos vejo vantagem, como está sendo o meu, alugar e não ter um carro com gastos fixos mensais e depreciativos.

O aluguel de carro pode ser também um serviço útil para uma fase da vida, quando há outras prioridades para a utilização do dinheiro. Não penso em comprar outro carro agora. Tenho aproveitado este dinheiro que passou a sobrar a fim de planejar uma viagem de férias.

 

Espero ter contribuído, compartilhando minha experiência.

Lido 907 vezes Última modificação em Quinta, 28 Janeiro 2016 16:43